Ok, é bem possível que ao ler esse título você tenha xingado a pessoa que começou esse papo.

Concordo que o filme do Death Note traz vários problemas de atuação, gaps no roteiro e gritos ridículos do Light Turner (Nat Wolff), mas essa versão produzida pela Netflix apresenta aspectos dignos de nota. Eu realmente estou vendo o lado bom desse filme. Talvez eu seja louco ou só uma boa alma. Ao final você comenta para ver se realmente achou essas 4 coisas legais em Death Note:

ESSE TEXTO CONTÉM SPOILERS DO FILME

1 – A motivação de Light

Ao transformar a relação familiar de Light em algo traumático, o fator vingança transformou seu desejo e senso de “justiça” em algo mais próximo da decisão de um adolescente, sendo assim mais real. Já o anime opta por motivar o protagonista apenas por tédio ou ainda por achar que “seria o certo a fazer”. A maneira como eles “se perdem” é diferente e aí vai realmente do que você espera desse tipo de história.

2 – As mortes

Tá certo que faltou uma morte por parada cardíaca, mas ver uma mandíbula realmente ser destroçada ou uma faca na garganta acabando com o jantar de um execrável facínora, foram elementos bem inesperados e significativos para aumentar a responsabilidade sobre o ato de escolher alguém para morrer.

3 – Trilha sonora

As primeiras cenas até enganam sobre parecer um bom filme, sendo o principal responsável a trilha de abertura. Esse talvez seja o ponto mais equilibrado em todo o longa da Netflix: a escolha das músicas.

4 – Edição

E por último, algo que me chamou bastante atenção – inclusive se compararmos com outros produtos da Netflix, como o recente “Os Defensores” – a edição. Mesmo abusando do foco seletivo, da perspectiva de campo e das smooth transitions, a fotografia do filme é muito bem trabalhada por conta da edição de Louis F. Cioffi.  

Death Note

 

E ai?! A lista fez você gostar um pouquinho mais dessa adaptação de Death Note ou os gritos do Light ainda são mais fortes que qualquer argumento?

Deixe seu comentário aqui embaixo. ;)

Sem mais artigos