Flash Review: Yakuza 0

YAKUZA 0

NOTA 10

Era impossível esse jogo não ser, no mínimo, excelente

Dita essas palavras e demonstrando pura cretinice em um review, Yakuza 0 é um dos melhores jogos que joguei nos últimos tempos. Servindo como prequel para a série a Sega finalmente começou a acreditar na hora de lançar no Ocidente de um jeito decente, Yakuza 0 se mostra como uma excelente porta de entrada para fãs que já ouviram falar na franquia, mas achavam vacilo começar do 4 ou 5.

No jogo, que se passa no final da década de 80, o jogador controla Kazuma Kiryu e Majima Goro, dois Yakuzas que se veem fora da máfia japonesa. Cada um tem uma história que parece não ter ligação alguma uma com a outra, apenas para tudo fazer sentido depois. Sério, a história de Yakuza 0 é um dos grandes motivos pelos quais eu não consegui largar o jogo durante suas 50 horas e meia de gameplay. Sim, o jogo é longo pra cacete, tem um mundo aberto que não é assim tão aberto (ele representa bairros de Tóquio e Osaka), mas tem tanta coisa pra fazer que você acaba se ligando do tempo gasto nele quando a vida bate na tua cara e manda você ir trabalhar ou fazer algo útil.

Como eu disse, a história de Yakuza 0, contada em vários capítulos, poderia muito bem ser uma minissérie, já que te prende como poucos jogos conseguem. Se não fosse só por isso, o jogo ainda traz um sistema de combate divertido, várias missões secundárias que ajudam a quebrar a seriedade da trama principal, apresentando histórias ABSURDAS e que tornam tudo mais legal.

Se você nunca jogou algum jogo da série Yakuza, vai na fé nesse aqui. Eu havia jogado o começo do 4, que foi dado em algum momento para os assinantes da PlayStation Plus, mas foi aqui que eu entendi o espírito da coisa e embalei.

Em resumo, se você achou que aquela introdução era uma enorme cretinice (e não estaria equivocado), a opinião do Puro Pop sobre Yakuza 0 é:

YAKUZA 0

NOTA 10

(10 mesmo. Puta jogo. PUTA! JOGO!)

Yakuza 0 foi jogado com cópia de PS4 cedida pela Sega.
Leia Mais
Dungeons and Dragons: Muito além dos Reinos