Testamos a WWE Network

Quando a WWE anunciou a WWE Network pela primeira vez, a ideia parecia um pouco absurda e ambiciosa demais, mesmo para uma empresa desse porte. Inicialmente, seria um canal com 24 horas de pro wrestling, com conteúdo criado especialmente para ela.

Durante meses, boatos circulavam pela internet sobre os planos do tal canal. Até que um dia, durante o Monday Night Raw, uma promo foi exibida e a WWE Network foi finalmente anunciada oficialmente:

Notem que o anúncio foi feito em 2011 e os planos eram relacionados a um canal de TV a cabo nos Estados Unidos. O tempo foi passando e a WWE encontrou na internet a solução para finalmente tirar a WWE Network do papel.

Trabalhando com a mesma equipe por trás dos streamings da MLB, a WWE resolveu criar um serviço de streaming pela internet que trazia todo o conteúdo de décadas de luta livre para dentro da casa dos fãs.

A WWE Network foi anunciada novamente como esse serviço durante a CES 2014, que aconteceu em janeiro. Ali, foi mostrado como funcionariam os streamings e o conteúdo que seria distribuído.

No dia 24 de fevereiro de 2014, a WWE Network foi ao ar, primeiramente nos EUA, mas com planos de expansão para outros países a partir do final do ano/começo de 2015. Como sempre existe um jeito de acessar, assinar e pagar por esse tipo de coisa, passamos os últimos 30 dias testando o serviço.

Será que realmente vale desenbolsar os US$ 9,99 mensais por “24 horas de pro wrestling”? Aqui estão os nossos pitacos sobre a WWE Network.

Assinatura e plataformas

Para fazer a assinatura da WWE Network, você precisa de um endereço americano e pagar os US$ 9,99 de mensalidade. No momento da assinatura, você aceita que o valor será cobrado por 6 meses. Isso significa que se você cancelar o serviço antes, ainda terá um desconto de US$ 9,99 até o fim do período.

A WWE Network funciona nas seguintes plataformas:

  • Mobile (através do app oficial da WWE)
  • Apple TV
  • Roku
  • PlayStation 3
  • PlayStation 4
  • Xbox 360

SmartTVs e o Xbox One devem ganhar aplicativos próprios na metade de 2014.

Durante o período de testes, nós utilizamos o PlayStation 3 como plataforma de acesso à WWE Network.

PPVs, pancadaria, gente nervosa se acalmando na porrada

Agora, vamos para o que realmente interessa: o conteúdo da WWE Network. Nesse primeiro mês de existência, o serviço ainda parece um tanto cru quando comparado com outros esquemas de streaming que você encontra pela internet.

A WWE Network apresenta duas formas de assistir ao seu conteúdo: 24/7 e On Demand. A diferença dos dois é que um funciona como um canal de TV e o outro como qualquer serviço de streaming pela internet, como o Netflix.

O esquema 24/7 apresenta uma grade diária de programas, com horários e tudo mais. Acessando a WWE Network, você tem a opção de dar play no que está passando “ao vivo”. Se quiser, pode deixar passando o dia inteiro, como se estivesse assistindo TV.

Fonte da imagem: Puro Pop
Fonte da imagem: Puro Pop

Se você já prefere ver algo específico, basta navegar pelos menus e apertar o play naquilo que deseja assistir.

Como foi anunciado no seu lançamento, todos os novos PPVs da WWE, começando com o Wrestlemania XXX, serão transmitidos pela WWE Network. Para deixar todo mundo no embalo, praticamente todos os pay-per-view da WWE, WCW e ECW estão disponíveis para serem assistidos quando você quiser.

O PPV mais recente da WWE Network é o TLC (Table, Ladders and Chairs), que foi ao ar no dia 14 de dezembro de 2013. Outros eventos, como o Royal Rumble e o Elimination Chamber, já de 2014, devem ser incluídos na biblioteca em breve.

Fonte da imagem: Puro Pop
Fonte da imagem: Puro Pop

Existe algum tipo de censura nos programas mais antigos, especialmente os da Attittude Era? Na maioria dos casos, não. Durante os testes, foi possível notar que todo o conteúdo mais antigo é exibido como foi ao ar na sua data original.

A única coisa que conseguimos notar foi o fato de que algumas músicas foram alteradas, certamente por causa de problemas com direitos autorais. Um belo exemplo disso é a entrada do Sandman nos PPVs da ECW. Em vez de ter a música do Metallica como entrada, rola uma genérica e tal. Nada que acabe com a graça da coisa toda, mas é uma mudança perceptível por aqueles que já conheciam o material original.

Em compensação ainda existe muita coisa intocada, como aquela promo SENSACIONAL do Rock vs Austin no Wrestlemania 17.

Em relação aos programas com luta, a Network ainda tem muito o que melhorar. O serviço conta com os seguintes programas:

  • WWE Superstars
  • WWE Main Event Replays
  • Smackdown Pre-Show
  • Smackdown Replays
  • Smackdown Backstage Pass
  • Raw Pre-Show
  • Raw Replays
  • Raw Backstage Pass
  • WWE NXT

De todos esses, o único realmente válido é o NXT, que mostra a “liga de base” da WWE. Muitas vezes melhor que o Raw e Smackdown, é o programa que DEVE ser visto na Network. O fato de ter um PPV exclusivo (e absolutamente fantástico) no serviço deve ajudar bastante para começar a ver a coisa toda.

Os Main Event começaram a ser exibidos ao vivo na Network, o que é bem interessante, mas assim como o Superstars, é um programa bem secundário da WWE. O Raw e Smackdown não são disponibilizados logo após passarem na TV americana, graças ao contrato que a empresa assinou com os canais e, por isso, acaba se tornando só gordura pra constar.

Fonte da imagem: Puro Pop
Fonte da imagem: Puro Pop

Os Pre-Show e Backstage Pass, que passam antes e depois da exibição do Raw e Smackdown, não chegam a acrescentar muito aos programas. Fica a esperança de que os contratos de exibição dos principais shows da WWE mudem e que o Raw e Smackdown sejam disponbilizados, pelo menos, com uma semana de diferença dos canais americanos, em vez dos atuais 30 dias.

Na questão “PROGRAMA DE LUTA”, a Network vale mesmo pelo NXT e só.

Só que o serviço conta com algo que, sinceramente, pode ser o grande diferencial da WWE Network: os programas originais e exclusivos.

No momento, a WWE Network conta com cinco tipos de conteúdos (que devem ser expandidos com o passar do tempo):

  • WWE Slam City
  • This Week in WWE
  • Wrestlemania Rewind
  • WWE Beyond the Ring
  • WWE Countdown

WWE Slam City é uma animação que será liberada semanalmente com pequenos sketches de 2 minutos cada. Utilizando animação stop-motion, os bonequinhos dos lutadores contam como é a vida de cada um deles após terem sido demitidos dos ringues e tendo que encontrar um emprego de verdade.

Apesar de ser bem infantil, a curta duração dos sketches e o fato de eles serem divertidos, mostra um caminho interessante para a Network.

This Week in WWE apresenta um resumão do que aconteceu nos seus programas semanais. É interessante e ajuda bastante na hora de ficar em dia com os acontecimentos da WWE.

Wrestlemania Rewind é uma série de documentários, cheios de entrevistas com os lutadores, em que uma luta de algum Wrestlemania é esmiuçada. Após contextualizá-la, a luta é mostrada na íntegra, terminando com um breve resumo do que aconteceu em seguida com os envolvidos.

É um programa bem interessante e que deve agradar bastante quem quer se inteirar melhor no mundo da WWE, além de ver geral dando cadeirada nas costas dos outros.

Beyond The Ring são basicamente os DVDs que a WWE lança no mercado, com documentários focados em alguns lutadores. Nesse primeiro mês, já foram disponibilizados os especiais sobre a rivalidade do Bret Hart com o Shawn Michaels, a história do Stone Cold Steve Austin, The Rock, nWo e Mick Foley.

Fonte da imagem: Puro Pop
Fonte da imagem: Puro Pop

WWE Countdown pode ser o programa mais divertido dessa leva de originais da WWE Network. Cada programa mostra um Top 10 relacionado ao WWE Universe. No primeiro mês, foram disponibilizados os episódios com as melhores catchphrases, melhores entradas, melhores finishers e maiores traições. Cada um deles traz um grupo de personalidades da WWE comentando sobre as escolhas, muitas vezes se mostrando mais interessantes do que podem demonstrar no Raw e Smackdown. Vale MUITO a pena assistir esse programa.

Os clássicos nunca morrem

Além disso tudo, a WWE Network dá uma cavocada na extensa biblioteca que a WWE possui. Por causa disso, são disponibilizados episódios do programa da ECW original, World Class Championship Wrestling e até mesmo lutas que datam de 1975, com Bruno Sammartino e Killer Kowalski.

Fonte da imagem: Puro Pop
Fonte da imagem: Puro Pop

Tudo isso é interessante para notar a evolução do pro wrestling e como eram as lutas décadas atrás.

Outro programa que entra nessa parte “clássica” da WWE Network se chama Legends of Wrestling, um bate papo entre alguns dos lutadores e oficiais da WWE conversando sobre diversos tópicos. O programa era exibido para assinantes da WWE pela internet durante um tempo, mas agora estão reunidos na Network. O episódio mais recente data de 2012. Não chega a ser o programa mais interessnte da rede, mas é bacana de assistir.

E a qualidade do streaming?

Agora, vamos para algo que pode quebrar ou fazer da WWE Network algo realmente digna: a qualidade do seu streaming.

Utilizando uma conexão de 15mbps, foi possível assistir a quase todo o conteúdo disponibilizado na rede em HD, sem travamentos. Em alguns momentos, a qualidade do streaming pode cair um pouco, mas ela consegue se recuperar com rapidez.

Como um dos grandes atrativos da WWE Network é o fato de que, com uma mensalidade de US$ 9,99, você tem todos os PPVs ao vivo da WWE, os eventos deveriam ter uma qualidade HD na hora de assistir.

Para testar a demanda, foi realizado um evento do NXT chamado NXT Arrival, um PPV para mostrar ao mundo “as estrelas do amanhã”. Assistindo ao PPV ao vivo, foi possível notar que a qualidade em Full HD realmente impressiona, mas, em dado momento, o streaming travou, repetindo sempre o mesmo trecho e caindo em seguida.

Isso aconteceu um pouco antes do main event do PPV. Foi possível retornar ao streaming quase no final da última luta. Esse problema foi reconhecido pela WWE, que vem realizando transmissões ao vivo do seu programa Main Event e o Pre-Show e Backstage Pass do Raw para deixar tudo redondo para o seu grande teste: o Wrestlemania XXX.

Tendo o seu maior evento para transmissão na WWE Network, a empresa vai saber se toda essa ideia de rede de streaming vai vingar ou não.

Na minha opinião, vai dar pau. É impossível que não dê um probleminha durante a transmissão. Fica só a esperança de que com esses testes, eles sejam resolvidos quase que no mesmo momento.

Vale a pena assinar?

Se você leu tudo isso aqui, certamente é fã de pro wrestling e já tem vontade de assinar à WWE Network. No seu primeiro mês, o serviço ainda está engatinhando, sendo que muito conteúdo ainda deve ser adicionado à sua biblioteca.

Apesar de gostar dos PPVs e toda a ação no ringue, algo que sempre me chamou a atenção em pro wrestling eram as histórias, que me divertiam mesmo quando as lutas não eram de muita qualidade. Explorar isso nos seus programas originais, como o Wrestlemania Rewind ou Countdown, me parece a atitude perfeita para fazer a Network.

Trazer algo a mais para o fã, com entrevistas e conteúdo “além-ringue” é o que deve fazer a rede ter sucesso. Nesse quesito, ela mostra MUITO potencial.

Por um preço relativamente baixo (o equivalente à R$ 23 reais), a assinatura da WWE Network parece algo garantido para os fãs de pro wrestling. Não deixa de ser interessante de ver como o esquema de trabalho da WWE e a criação dessa rede pode acabar servindo como molde para outros esportes, como o UFC, que poderia se beneficiar ao criar um serviço parecido com esse.

Por enquanto, fica a certeza de que a WWE Network tem muito o que melhorar em relação ao seu conteúdo, mas parece estar no caminho certo para agradar fãs e, quem sabe, até se tornar atraente para quem nunca parou pra ver alguém ser jogado de uma escada gigante em cima de uma mesa em chamas.

Leia Mais
Luchamania #12 – O ano de 2015 e contrata um seguro, WWE