Todo ano, quando eu venho falar sobre um novo jogo da WWE, o discurso é quase sempre o mesmo. Eu tiro sarro da galera que fica comprando Fifa todos os anos, sendo que, salvo algumas edições, os jogos poderiam ser apenas atualizações ou DLCs, já que não mudam NADA em relação ao título anterior. WWE 2K18 tem elementos diferentes, mas, cada vez mais, parece que não vale tanto a pena investir no game do ano.

Um modo carreira melhorado

Há duas edições, os jogos da WWE contam com um modo carreira que, apesar de boas intenções, não consegue empolgar de verdade, já que de boas intenções, o inferno tá cheio. Em WWE 2K18, o modo carreira, que se tornou o modo principal, traz algumas melhorias interessantes, mas o buraco deixado pelo sempre divertido modo história ou showcase ainda é bem perceptível no jogo.

Isso porque, por mais que tente, WWE 2K18 tem um modo carreira que ainda parece vazio e engessado demais. Neste ano, as melhorias incluem a possibilidade de perambular pelo backstage, conversando com diferentes lutadores e lendas que estão por ali. Volta e meia, um te passa uma missão especial que você deve realizar no ringue para seguir o caminho de vendido pros chefes ou queridinho da galera.

Essa ideia é BEM legal, mas não é tão bem executada como poderia. Isso porque esses momentos de exploração são extremamente repetitivos e, na maioria dos casos, as interações com os lutadores são estranhas, não condizendo muito com a personalidade deles na TV.

Outra coisa que foi bastante melhorada em relação ao jogo do ano passado é o sistema de promos. Em WWE 2K17, você escolhia frases que valiam pontos, tentando montar uma promo para se sair bem no microfone. O problema é que as frases muitas vezes não faziam sentido entre si, com um trecho dito de um jeito específico, só para o próximo ser completamente diferente pelo simples fato que escolher algo que fizesse sentido não daria tantos pontos.

Neste ano, isso foi alterado e o foco é mesmo fazer sentido. Ainda não é o ideal, mas pelo menos ficou mais fácil de entender como entregar um bom discurso no jogo.

O resto é praticamente a mesma coisa

E aí vem a parte realmente importante e, pra mim, doída desse review. Tirando UMA alteração no gameplay (o sistema de submissões conta com uma opção que o torna menos desgraçado), o jogo é quase idêntico ao do ano passado. Tirando alterações estéticas, como novas roupas (que poderiam ser incluídas através de uma atualização), a possibilidade de criar cenários menores (tipo arenas da PWG, por exemplo), o jogo não mudou o suficiente para eu indicar de maneira sincera que você compre, caso já tenha a edição do ano passado.

Eu continuo jogando todo ano porque sou um verme e realmente gosto desse negócio, mas é inegável que a 2K Games PRECISA tirar o desenvolvimento dos jogos da WWE da mão da Yuke’s, que usa uma variação da mesma engine há mais de dez anos, e colocar na mão de outra desenvolvedora que queira fazer um jogo realmente divertido.

Quando a gente brinca que FIFA e o escambau são sempre os mesmos jogos, existe uma parte de verdade, mas também rola um empenho das desenvolvedoras em atualizar tudo de tempos em tempos. Troca uma engine, arruma a jogabilidade, inclui modos. No cerne, é a mesma coisa de sempre, mas dá pra perceber algumas mudanças.

Os jogos da WWE não mostram isso há muito tempo. Nos piores momentos, eles até retiram coisas. Como fã, eu fico bolado com isso, porque, ao longo dos anos, sempre surgiram desenvolvedoras interessadas em criar novos jogos da WWE, mas sempre morrem na praia. O interessante é que os jogos de celular parecem tentar muito mais e experimentar mais do que essas versões para consoles.

Sinceramente, se você não joga um game da WWE nos consoles há alguns anos, talvez pegar WWE 2K18 seja uma boa. Ele traz uma porrada de lutadores e pode ser divertido no modo multiplayer. Se você tem jogado todos os anos, talvez seja a oportunidade de dar um tempo em 2017 e torcer para que a versão do ano que vem seja diferente ou, pelo menos, esperar para pegar em uma promoção.

 

Leia Mais
Ubisoft na E3 2014: assista a conferência da empresa