Comic Con no Brasil: o buraco é um pouco mais embaixo

Essa semana, começa nos Estados Unidos a San Diego Comic-Con, maior evento do gênero, que reúne o mundo dos quadrinhos, TV, games e cinema em um espaço absurdo. São cinco dias (contando com a Preview Night) que fariam qualquer um que gosta de cultura pop surtar forte.

Aproveitando o início da maior Comic-Con do planeta, finalmente chegou a hora de eu dar o meu pitaco em relação às Comic Cons do Brasil.

Foi anunciado no início de 2014 que o pessoal do Omelete, em parceria com a Chiaroscuro Studios, organizaria a Comic Con Experience. Logo em seguida, a Yamato, responsável pelo Anime Friends, anunciou a Brasil Comic Con. Na teoria é tudo lindo, mas pelo que eu tenho reparado, existe um clima que pode acabar não sendo benéfico para as duas partes, assim como para o público. E tudo começou quando o anúncio da primeira foi feito.

Um anúncio que criou expectativas irreais

Apesar de existirem rumores sobre o evento há algum tempo, foi no dia 25/01 que, através de uma matéria publicada pela revista Veja, que a Comic Con Experience foi anunciada oficialmente.

No texto, era explicado que o pessoal do Omelete, um dos maiores sites do seu gênero na internet brasileira, estaria por trás do evento. Como era de se esperar, tentando vender o seu peixe, os responsáveis anunciaram a CCXP como algo grandioso, “o maior evento do tipo na América Latina”, algo complicado quando não existiam atrações confirmadas no momento, porém, compreensível.

Só que algo ali chamou a atenção de muita gente e um alarme soou para grande parcela do público. Quando se fala em “Comic Con”, a primeira coisa que vem à mente é a San Diego Comic-Con, local onde astros dos quadrinhos, séries de TV e do cinema participam de painéis para apresentar novos projetos, trailers exclusivos são exibidos e toda aquela maravilha que todos conhecem.

No anúncio da Comic Con Experience, era falado que o evento “traria a Comic Con de San Diego para São Paulo”. Muitos questionaram se ela se chamaria São Paulo Comic-Con (no meio da reportagem, o nome CC Experience é confirmado) e se existia o dedo dos organizadores do evento americano por aqui. Inclusive, a matéria era fechada com um histórico sobre a San Diego Comic-Con, também conhecida como Comic-Con International.

ComicConExperience-01

O envolvimento do pessoal do Omelete não causou dúvida sobre a possibilidade, vide o tamanho do site e sua importância. Poucos dias depois, eles vieram a público para falar que os dois eventos não tinham ligação alguma, deixando mais claro o nome Comic Con Experience, mas aí, o estrago já estava feito e muita gente já tinha colocado na cabeça de que será tudo igual, mas no Brasil.

Brasil Comic Con e o fantasma do Anime Friends

Pouco tempo depois, a Yamato, responsável pela organização do Anime Friends, maior evento do gênero na América Latina, anunciou a Brasil Comic Con, versão de convenção de quadrinhos que acontecerá em novembro, um mês antes da CCXP.

Saindo na frente da outra convenção, a Yamato começou a anunciar suas grandes atrações. Tudo começou com Paul Zaloom, o Beakman, e Cassandra Peterson, a Elvira, mas nomes como Alfonso Ribeiro e Takumi Tsutsui, O JIRAYA, foram anunciados em datas posteriores.

elvira-a-rainha-das-trevas

Isso mostrou que a Brasil Comic Con, além de ter stands com quadrinistas, teria celebridades que puxavam mais para o lado da nostalgia, possibilitando (com um pagamento extra), que os fãs pudessem tirar fotos com eles.

Isso tudo parece divertido, mas ainda tem mais gosto de “Anime Friends” do que “Comic Con”, algo que pode causar desconfiança por parte de muita gente, vide que o evento voltado à cultura japonesa não é conhecido pela sua organização primorosa, recebendo críticas sobre fãs que dele participaram.

Isso não significa que o evento será ruim, apenas que ele conta com uma proposta diferente para atrair aos fãs. Recentemente, nós conseguimos informações exclusivas sobre possíveis conversas que os organizadores da Brasil Comic Con estariam tendo com a BBC, visando trazer alguns dos atores das séries do canal, como Doctor Who e Sherlock, para o evento. Essa informação acabou sendo confirmada pelo canal através de um comunicado enviado a nós, mas nada foi anunciado oficialmente até o momento, o que demonstra que a Yamato de fato está “pensando grande”, mas limitações a impedem de fazer algo além da “nostalgia trip”.

Do lado da Comic Con Experience, nomes como Sean Astin, de O Senhor dos Aneis e Goonies, e Giancarlo Esposito, de Communty e Breaking Bad, ao seu evento (eu ainda acho meio cretino anunciar o Kirk Hammett como grande atração de Comic Con. E eu sou fã do Metallica), foram confirmados, mostrando que ainda não tem como chamar “elenco dos Vingadores”, como muita gente estava (e ainda está) pedindo nas redes sociais.

“Guerra entre Comic cons”. Sério, qual é a necessidade disso?

gente-qual-a-necessidade-dissoDepois que os dois eventos começaram a tomar forma, surgiram na internet alguns posts em redes sociais e sites que tentavam criar uma “guerrinha” entre a Brasil Comic Con e a Comic Con Experience. Em alguns casos, ela era até mesmo fomentada por envolvidos na organização de um dos eventos.

A pergunta que eu faço é “Pra que isso?”. Eu nem vou comentar o “Ficamos sabendo que teve gente comprando ingresso pra uma Comic Con quando queria pra outra” porque é de uma imbecilidade tanto de quem faz isso como de quem acha lindo comentar esse tipo de coisa.

Tá certo que os dois eventos acontecem dentro de um espaço de tempo relativamente curto, mas qual é a necessidade de, em vez de mostrar as qualidades do seu evento, querer diminuir o do lado? Não seria melhor que as duas Comic Cons que devem acontecer no Brasil esse ano sejam bem sucedidas para que esse tipo de evento possa prosperar no nosso país?

Eu só consigo ver esse tipo de atitude como algo mesquinho e pequeno. Torcer para que a Comic Con Experience ou a Brasil Comic Con fracasse é de uma cretinice absurda. Nós sempre falamos como seria bom ter algo como esses eventos que acontecem fora do país por aqui, mas na primeira chance de começarmos a seguir nesse caminho, galera começa a fomentar guerrinha idiota. Pra que?

Spoiler: nenhuma das duas vai conseguir reproduzir a San Diego Comic-Con esse ano

SDCC é só alegria
SDCC é só alegria

Fica aqui uma informação que não é diminuir a Brasil Comic Con ou a Comic Con Experience mas que precisa ser dada: nenhuma das convenções terá a mesma dimensão ou “sensação” da San Diego Comic-Con.

Falo isso por já ter ido em uma e aquela coisa é absurda. Tanto que, mesmo existindo outros eventos do gênero dentro dos EUA, como a New York Comic Con, nenhuma chega no nível da feita em San Diego. Foram anos evoluindo para chegar até o que ela é hoje, com profissionais de quadrinhos lutando por um espaço no salão principal, estúdios desembolsando milhões para garantir um painel no Hall H. A organização não precisa correr atrás.

E é isso que muita gente parece não ter entendido quando o assunto é “Comic Con no Brasil”. Apesar de isso parecer estar mudando, nosso país não tem um mercado forte para cultura pop, pelo menos comparado com um país como os Estados Unidos.

Aqui, quadrinhos ainda são vistos por muitos como coisa de criança, o mesmo valendo para games, e filmes que fazem a alegria do povo em Comic-Con por lá, malemá são lançados em home video por aqui porque “o povão não consome”.

A existência da Comic Con Experience e da Brasil Comic Con, caso elas funcionem como planejado, talvez seja o primeiro passo no caminho certo. Só que ainda vai demorar MUITO para que uma atração como “elenco de série x ou de filme y” aparecendo por aqui não pareça algo absurdo, mas sim esperado.

Ainda vai demorar pra você estar olhando algo e esbarrar em uma atriz de uma série conhecida pedindo pra tirar foto com um pessoal fazendo cosplay.

Stana Katic

Ou o Joss Whedon no meio da galera. Isso é a San Diego Comic-Con.

É o que tá arrumando o boné no meio. E EU NEM VI NA HORA
É o que tá arrumando o boné no meio. E EU NEM VI NA HORA

Tirem da cabeça essa coisa que vai ser “como a gringa”. Não vai ser, pelo menos não agora e, provavelmente, não tão cedo. Encarem os dois eventos como pontapé inicial de algo que pode se tornar sensacional. Não fiquem com guerrinhas imbecis que só vão diminuir as duas convenções.

Talvez, quando o público entender isso e todos os envolvidos na Brasil Comic Con e Comic Con Experience fizerem algo voltado realmente para a realidade do nosso país, o negócio pode começar a evoluir.

Isso porque é possível falar com certeza que você só vai ter a experiência da Comic-Con de San Diego guardando dinheiro e indo pra lá.

Leia Mais
Black Sabbath relançará “Paranoid” em versão com quatro discos!