Durante anos, fãs de O Senhor dos Anéis e das histórias do professor J.R.R. Tolkien clamavam por uma adaptação de O Hobbit, história que precede a trilogia do Anel. Por um tempo, Guillermo Del Toro dirigiria uma adaptação produzida pelo Peter Jackson e que transformaria o livro infantil em dois filmes. Problemas na justiça relacionados aos estúdios donos dos direitos atrasou tudo, o Del Toro saiu da produção e o Peter Jackson assumiu tudo, em uma adaptação que acabou sendo esticada em mais uma trilogia. Agora, o último filme dela ganha um novo título.

Depois que a obra de pouco mais de 300 páginas ter rendido O Hobbit: Uma Jornada Inesperada e O Hobbit: A Desolação de Smaug, o terceiro filme inicialmente se chamaria O Hobbit: Lá e de Volta Outra Vez, um nome que fazia sentido dentro do contexto do livro e tal. Só que, de acordo com o Peter Jackson, esse nome fazia muito mais sentido quando a ideia ainda era dividir o livro em apenas dois filmes.

Como o negócio virou uma trilogia, o estúdio e o diretor acharam que era a hora de anunciar um novo título, então, o filme final se chamará O Hobbit: A Batalha dos Cinco Exércitos. Faz sentido? Faz, principalmente porque a batalha deve ser o ponto principal do longa, mas ele consegue transformar novamente o Bilbo em um mero coadjuvante em toda a história. Provavelmente o melhor personagem, ele só tá lá acompanhando os anões, perdendo tempo de tela pra ficarem mostrando aquele romancezinho DESNECESSÁRIO entre um anão e uma elfa.

Como alguém uns tempos atrás disse, ver a trilogia O Senhor dos Aneis e esses filmes de O Hobbit me levam a crer que o Peter Jackson entrou na fase “George Lucas” de sua carreira. Como Harvey Dent já disse, “você morre um herói ou vive tempo o suficiente para se tornar o vilão”. Os filmes não estão ruins, mas CADÊ AQUELA MAGIA?

O Hobbit: A Batalha dos Cinco Exércitos tem estreia prevista para o dia 11 de dezembro.

Sem mais artigos