A Entrevista, novo filme do Seth Rogen e James Franco, se tornou o centro da polêmica em torno do vazamento de informações da Sony. Agora, após ameaças de terrorismo relacionada à estreia do filme nos EUA, fizeram com que o estúdio optasse por cancelar o seu lançamento.

A Sony Pictures sofreu um ataque massivo e viu praticamente toda a sua rede hackeada por um grupo de hackers. No meio disso tudo, surgiram algumas informações como a do Homem-Aranha na Marvel e até uma possível aliança entre estúdios para “capar a internet”. Mas por que a Sony? Porque, aparentemente, a Sony era o estúdio por trás de A Entrevista, uma comédia que coloca o Rogen e o Franco indo atrás do ditador da Coreia do Norte, Kim Jong-Un. Apesar de o país não assumir estar por trás da invasão da rede, disse concordar com os responsáveis.

Enquanto tava no esquema “olha a fofoca” e “informações sobre filmes e negócios da Sony”, as coisas estavam sendo “inofensivas” (se não considerarmos os estragos e empregos colocados na reta dentro do estúdio). Nessa semana, o grupo afirmou que se a Sony seguisse com o lançamento de A Entrevista, que aconteceria no dia 25 de dezembro, os EUA veriam o 11 de setembro acontecendo novamente. Aí o negócio ficou sério.

O Departamento de Segurança Interna dos Estados Unidos afirmaram que não existia qualquer tipo de movimentação para um ataque e que a ameaça era infundada. Só que isso não impediu que várias redes de cinema nos EUA se recusassem a exibir o filme, algo que a Sony disse ser um direito deles. Agora, o estúdio resolveu cancelar completamente a estreia do filme nos cinemas americanos.

A decisão é compreensível, já que os hackers podem muito estar falando pela bunda, mas e se alguém aproveita a oportunidade pra fazer merda? Só que isso abre um precedente perigoso. Além de amordaçar um setor da indústria do entretenimento porque “não gostamos do filme”, impedindo que filmes mais “polêmicos” sequer sejam produzidos, os que forem podem muito bem ser cancelados na base do terrorismo.

Ainda não se sabe como ficará o lançamento internacional do filme ou se a Sony planejar lançar A Entrevista no esquema Video on Demand.

PS: Ok que o filme tira sarro do ditador da Coreia do Norte, mas porra, ninguém lembra de como o ditador anterior foi mostrado em Team America e ninguém se matou por isso? O problema, se realmente for o caso, é o Kim Jong Un?

Sem mais artigos