Na última sexta-feira, foi anunciado, do mais completo nada, que Edgar Wright não seria mais o diretor da adaptação de Homem-Formiga. O motivo dado: diferenças criativas. Muita gente não entendeu direito, mas vários jornalistas americanos citaram boatos dos bastidores de que as coisas não andavam muito bem com a produção.

Poucas horas depois, surgiram informações sobre os verdadeiros motivos por trás da saída do diretor, através do site Latino Review, que têm fontes dentro do Marvel Studios.

Depois de praticamente 8 anos envolvido na produção (desde antes do primeiro Homem de Ferro), o Edgar Wright teria encontrado problemas com executivos, que pediram alterações na história para incluir personagens de franquias e alterar “as questões morais da trama”. O cara e seu parceiro, Joe Cornish, tentaram incluir as solicitações dos executivos, mas as coisas não se resolveram.

Quando a Disney/Marvel enviou o roteiro para ser retrabalhado por dois roteiristas aleatórios e apresentou um texto que resultaria em um filme completamente diferente do planejado, o Edgar Wright mandou um abraço e saiu.

Homem Formiga

Rumores de que o diretor havia sido demitido por estar com a produção atrasada e com o orçamento estourado foram desmentidos, ainda mais quando pessoas próximas a ele e à Marvel se pronunciaram.

O primeiro a falar foi Simon Pegg, amigo e colaborador de longa data do Edgar Wright foi até o seu Twitter para falar que sente orgulho do amigo. Em seguida, Joss Whedon, diretor do primeiro filme dos Vingadores e de sua sequência, Os Vingadores — A Era de Ultron, não disse uma palavra, mas postou a seguinte imagem no seu Twitter:

 

Pra quem não entendeu, o Edgar Wright dirigiu a “Trilogia do Cornetto e Sangue” e essa teria sido a maneira do Whedon mostrar solidariedade ao cara. Se a desculpa “diferenças criativas” for real, a história do Latino Review batia com a reação dos envolvidos.

O cara queria fazer um filme. Alguém com poder meteu o dedo, ele falou “Não vou brincar assim” e foi embora. O fato de alguém como o Joss Whedon fazer isso (e depois o diretor James Gunn, de Guardiões da Galáxia, ter postado algo no seu Facebook sobre estar triste com o final do relacionamento do Wright com a Marvel), cria uma sensação algo não está tão redondo dentro do Marvel Studios.

No dia seguinte, Drew Goddard, diretor de The Cabin in the Woods, deixou o cargo de showrunner da série do Demolidor. O motivo dado foi que ele tem o filme do Sexteto Sinistro para roteirizar e dirigir, mas o timing pareceu estranho.

demolidor

Novamente, quem deu primeiro a notícia foi o site Latino Review, no meio do final de semana. Meio que pra agilizar e tentar limpar a barra, a Marvel liberou um release que já incluía o nome do substituto, Steven S. DeKnight. Mesmo assim, o timing continuou estranho.

A única coisa que toda a situação gerou, além de certo pesar pelo fato de uma das coisas que mais chamava atenção no filme do Homem-Formiga ter ido embora, é dúvida em relação ao método de trabalho do Marvel Studios. Será que Os Vingadores 2 é o capítulo final da era de ouro do estúdio?

A merda do “universo compartilhado”

Quando o Marvel Studios começou a despontar como exemplo quando o assunto era “adaptações de quadrinhos”, muito se falou que ela atraía nomes como Edward Norton e diretores como Kenneth Branagh. Basicamente, era um estúdio que pensava de uma maneira inovadora na forma como adaptar os quadrinhos.

Só que o tempo mostrou um problema nisso tudo: muitos desses profissionais terminavam os seus filmes e diziam não ter interesse em retornar. Após Homem de Ferro 2, um filme que supostamente teve problemas nos bastidores, Jon Favreau deixou a direção da série pra só aparecer (bem pouco) como Happy Hogan no terceiro filme. Ele ganhou o título de produtor executivo de alguns dos filmes, mas muita gente acredita que isso aconteceu só pra não ficar feio o fato de terem cortado o cara que deu o pontapé no universo deles.

Jon-Favreau-Iron-Man

Branagh também abandonou Thor após o primeiro filme. O Edward Norton não retornou ao papel do Bruce Banner por problemas de contrato, mas logo foi substituído pelo Mark Ruffalo (ainda imagino como seria Os Vingadores com o Norton ali). O mesmo aconteceu com Terrance Howard, que tomou na cabeça e foi substituído na maior pelo Don Cheadle como War Machine.

Tudo isso aconteceu e continua acontecendo pelo simples fato de o Marvel Studios ter um plano. Esse plano engloba uma cacetada de filmes, que devem trabalhar juntos na construção de um universo compartilhado.

Por mais que um diretor tenha interesse em contar uma história única com algum personagem, ele ainda terá que se encaixar com acontecimentos de outros filmes não relacionados. Como se isso não fosse o bastante, os longas ainda devem conter pequenos detalhes que serão explorados em outras adaptações, com personagens diferentes. Não importa o que querem fazer, as coisas precisam se encaixar e serem do jeito conforme foram planejadas.

E isso deve ferrar com a cabeça de diretores que querem fazer algo único.  Tanto é que, após uma experiência ou um pouco mais, eles abandonam o barco. Joss Whedon tá de volta em Os Vingadores 2 provavelmente porque tem as chaves do reino, podendo moldar o seu filme do jeito que quiser, enquanto os outros devem tentar se encaixar à trama.

Esse parece ter sido um dos problemas que levou à saída do Edgar Wright. Só que tem outro que pode realmente ter zoado a coisa toda.

Disney metendo o dedo

Quando o Marvel Studios começou, tudo rolava com um acordo de distribuição com a Paramount Pictures. O sucesso de filmes como Homem de Ferro fez com que a Marvel se tornasse mais valiosa, o que fez com a Disney fosse lá e comprasse tudo.

Na época, muita gente ficou cabreira, acreditando que com uma empresa do porte da Disney por trás, a integridade dos filmes seria maculada. Todo mundo falou que não, que o Marvel Studios trabalharia de maneira separada e independente, rendendo dinheiro e trazendo sorrisos a todos os envolvidos.

Avance alguns anos e chegue à saída do Edgar Wright da produção do Homem-Formiga, filme que supostamente serviu como base para a criação do “clima” da primeira fase das adaptações do estúdio. De acordo com o Latino Review, as intromissões no roteiro do que podia ou não acontecer e a escolha de usar dois roteiristas aleatórios para mexer na história parece não ter vindo da parte do chefe do Marvel Studios, Kevin Feige, mas sim de alguém acima dele. Acima dele só os executivos da Disney.

marvel disney

Junte o fato de diretores de outras produções estarem mostrando sinais de solidariedade em relação ao Wright, o que pode indicar que eles também podem ter passado por esse tipo de pressão, talvez não na mesma intensidade (o Whedon tem o sucesso do primeiro Vingadores pra peitar e Guardiões da Galáxia é tão surtado e “fora” da linha do Marvel Studios que o James Gunn possivelmente teve mais liberdade que o Wright teria).

Até o momento, a Marvel vem seguindo seu plano, não importa o que aconteça. Ter o Edgar Wright como diretor do Homem-Formiga estava nos planos há anos, com o apoio do Kevin Feige. Algo está mudando lá.

Talvez seja por causa da concorrência, seja da Warner também querendo criar seu próprio universo compartilhado no cinema, com a vantagem de ter TODOS os personagens, não precisando fazer heróis do então segundo escalão nas estrelas do estúdio (basicamente o que aconteceu com o Marvel Studios, que fez milagre).

Como isso pode ser o final da “Era de Ouro” do Marvel Studios?

Com todos esses problemas e obstáculos, a ideia é a de que os bons profissionais por trás dos sucessos do estúdio podem abandoná-lo por causa de intromissões e por não poderem criar como antes.

Ainda vai demorar pra isso acontecer, mas, como o editor do Badass Digest comentou no Twitter, o Marvel Studios tá seguindo o caminho Pixar e, talvez, estejamos próximos do “Carros” do estúdio.

Homem Formiga 2

A Disney ainda vai faturar muito dinheiro com os filmes da Marvel, mas o fato de que Vingadores 2 pode ser o último filme do Joss Whedon com eles, assim como o próprio presidente da divisão, Kevin Feige, tem contrato até 2018, as coisas podem mudar bastante no futuro do Marvel Studios. Resta aguardar pra saber o que realmente vai acontecer.

Sem mais artigos