Review: It – Capítulo 2

It –  A Coisa sempre foi um livro complicado de ser adaptado para o cinema pelo seu tamanho absurdo, alguns trechos problemáticos e momento em que as coisas ficam REALMENTE estranhas. Conseguir preparar o público para tudo era necessário e a Warner conseguiu uma ótima sacada ao dividir a história em dois filmes e lançando It – Capítulo 2.

Se It – A Coisa: Parte 1 não tivesse funcionado, esse segundo filme seria um desastre, mas ele não só conseguiu contar uma história quase fechadinha, como também apresentou um elenco jovem realmente carismático que fez com que todo mundo se importasse com os personagens. E esse é o maior trunfo de toda essa coisa de It, não aquele palhaço cretino de olho torto e boquinha bizarra ou os sustos.

Sem o elenco adolescente do primeiro filme e o adulto do segundo, os dois filmes cairiam de cara no chão. E não é como se esse segundo filme não desse alguns tropeços.

Volta ao lar

It – Capítulo 2 começa 27 anos depois dos acontecimentos do primeiro filme, mostrando o retorno de Pennywise, o palhaço cretino. As primeiras cenas do filme inclusive são possivelmente as mais incômodas dele todo até por serem as mais reais. Seja as agressões contra um casal homossexual em Derry, Maine, ou um marido batendo na mulher, essas cenas acabam sendo mais fortes que os momentos cheios de sangue e gore.

Quando os Losers de fato se encontram e descobrem que esqueceram boa parte do que aconteceu quando eram adolescentes, a história começa a andar num ritmo bem legal e que prende a atenção.

It - Capítulo 2

Ver flashbacks da infância dos personagens, como acontece no livro, é bom e ajuda a contextualizar alguns momentos, mas também é responsável por algumas quebras de ritmo no meio do filme que acabam tornando essa parte um pouco estranha. Veja bem, não tem nada de ruim ali, mas o tom de alguns personagens parece mais voltado para piadinhas e, na cena seguinte, temos que enfrentar uma situação muito mais tensa ou traumática para outro personagem, fazendo com que as coisas não tenham o impacto que poderiam ter.

Novamente, isso não chega a incomodar tanto assim, já que mesmo com 2h40 de duração, o filme ainda não parece uma maratona, mas deixa o tom do filme meio esquisito.

Pennywise é meio tonto, né?

E aí vem pro meu maior problema com o filme. O elenco está realmente bem nos papeis das versões mais velhas dos personagens do primeiro longa, mas o Pennywise aqui, mesmo tocando o terror em geral, não parece mais como uma ameaça tão grande assim.

Parece ridículo falar isso sendo que ele ainda é o responsável pela tensão do filme e é o grande vilão, mas talvez por causa das primeiras cenas, que mostram um horror muito mais real do que um palhaço monstruoso, ele acaba perdendo o impacto que tinha no primeiro.

It - Capítulo 2

Ainda existem momentos em que ele mostra a que veio, mas em boa parte de It – Capítulo 2, a impressão que fica é que ele se tornou um terror muito mais “vou te passar a faca” do que “eu vou bagunçar com a tua cabeça”. Até mesmo o terceiro ato parece muito mais isso, em vez de ser algo que coloca o medo dentro das pessoas por vários motivos, ele amedronta porque pode arrancar teu braço. Ainda uma situação tensa, mas que ainda pode ser resolvida na porrada.

O filme também é mais fiel à estrutura do filme, o que por um lado é bom porque deixa as coisas mais próximas do que o Stephen King imaginou, mas quando tudo começa a ficar mais insano por motivos de STEPHEN KING, rola uma sensação de “que porra é essa, meu querido?” que não existia no primeiro filme.

Resumindo

It – Capítulo 2 é um bom filme e funciona bem melhor do que eu esperava. O primeiro filme ainda é superior por transformar o Pennywise em algo muito maior do que realmente é, mas o segundo filme é bastante válido pelo seu elenco, que está espetacular, que mesmo tendo James McAvoy e Jessica Chastain como destaques em tudo quanto é lugar, tem como Bill Hader como seu MVP, já que ele rouba todas as cenas em que está. O cara é realmente impressionante nesse filme.

Quem gostou do primeiro filme com certeza vai gostar desse segundo, mas ainda fica a sensação que a investida anterior ainda é superior.

Leia Mais
Review: Birdman (Ou a Inesperada Virtude da Ignorância)