Antes de falar qualquer coisa, um pequeno aviso. Eu odeio o Danilo Gentili. Eu acho o “humor” dele uma merda, como apresentador ele é ruim e como pessoa parece ser um sujeito bastante execrável.

Só que eu ainda pensei que poderia mudar um pouco a opinião profissional sobre ele assistindo a Exterminadores do Além Contra a Loira do Banheiro, novo filme estrelado por ele e pelos “humoristas” Leo Lins e Murilo Couto.

Pois bem, não conseguiu e por diversos motivos que vão muito além de eu gostar ou não do Gentili.

A ideia em si não é ruim

Exterminadores do Além tem uma ideia até que interessante, apesar de pouco original. Um grupo de charlatões tem um programa no YouTube em que afirmam exterminar assombrações. Em paralelo, uma escola é centro de um caso em que alunos estão sendo vitimados pelo que parece ser a Loira do Banheiro.

Alguém chama o grupo e temos um filme. Ou pelo menos teríamos se ele fosse feito por gente capaz. Desde o início, EdACaLdB (título longo até em sigla, cacete!) não sabe direito o que quer ser, por um problema grave de atuação, roteiro e direção.

Em um momento, ele quer ser uma comédia pros fãs do Danilo Gentili e companhia. No outro, ele quer ser um filme de terror, com uns jumpscares cretinos. Logo em seguida, ele quer cair no trash, com gore e sangueira por todos os lados. O problema é que ele não consegue prestar em nenhum dos gêneros.

Como comédia, é um drama

Como comédia, o filme é horrível. Como eu disse no começo, eu não gosto do “humor” do Danilo Gentili. Nem vou pelo lado de “é ofensivo”(apesar de ser bastante), mas o que mais me incomodou que até o timing das piadas é ruim. Claramente o Gentili não é ator, mas nem contando piada ele funciona. O fato de o filme ficar bastante em volta dele, apenas nivela tudo por baixo mesmo.

Vou ser sincero que ri de UMA piada, porque eu tava tão desligado e ela surgiu ali de maneira tão natural, algo realmente incomum no filme, que acabei rindo. E ela veio daquele que se saiu melhor no filme: Murilo Couto.

O humorista é o único do trio principal que consegue passar a sensação que tem o mínimo de noção na hora de atuar, fazendo o possível no seu papel de bobo na trama. Existem umas participações especiais como RATINHO, Dani Calabresa, Antonio Tabet e, veja só SIKÊRA JUNIOR, o cidadão que tava profetizando que você, maconheiro, vai morrer antes do Natal. CALCULE O NÍVEL!

Como terror, dá sono

Quando o filme inventa de ir para o lado do terror, dá pra ver um pouco do potencial da ideia. Um filme que aborda o imaginário brasileiro, mais ou menos como é feito em filmes americanos, é bastante interessante, só que a forma usada em Exterminadores do Além é bem rasteira.

O terror, o suspense, se resume a alguns jumpscares que, no segundo, você percebe que a direção e edição são meio precários, já que é possível prever exatamente o que vai acontecer, eliminando qualquer chance de eles serem efetivos.

E é aí que o filme cai pro trash, com bastante gore e nojeiras. No começo, você até pensa um “oloco, realmente não é filme pra criança”, mas chega um ponto em que o filme ainda quer ser levado a sério, por incrível que pareça, já que usa até cocô assombrado em dado momento, e tudo perde a graça 2 segundos depois.

Em resumo

Assistir a Exterminadores do Além Contra a Loira do Banheiro foi uma experiência. Uma experiência horrorosa, mas ainda uma experiência. O filme consegue transcender o esquema do “isso não é humor pra mim” e entra no reino do “QUEM É QUE GOSTA DESSE TIPO DE FILME?”. Não falo isso por me ofender com as piadas (ruins), mas pelo filme em si ser MUITO ruim.

Eu já vi alguns longas bem porcos, mas esse parece levar a coroa de pior filme que eu já vi no cinema. Eu não tenho como indicar esse filme pra alguém. Acho que nem pra quem é fã do Gentili e companhia.

Fica vendo grama crescer que é mais legal. Na moral.

Sem mais artigos