Review: Capitão América Guerra Civil

Escrever sobre filme bom é mais difícil do que parece pelo simples fato de que tudo pode ser resumido em “O FILME É FOD* PRA C*RALHO! VAI ASSISTIR DE UMA VEZ!”. Capitão América Guerra Civil é exatamente isso. Se você tinha alguma dúvida se o filme é bom ou não, fique tranquilo e saiba que sim, ele consegue ser melhor que outros filmes e diria que empata (e algumas vezes supera) o melhor filme da Marvel, Capitão América: Soldado Invernal.

Então, por quê eu continuo escrevendo se você já sabe que eu gostei do filme? Porque Guerra Civil é o filme que melhor consegue mostrar as consequências de sair por aí dando soco em bandidagem, como assumir seus erros e acreditar que está fazendo um mundo melhor. E ainda tem um monte de herói se estancando na porrada.

Uma guerra em que os dois lados estão certos

Nessa altura do campeonato você já deve saber exatamente qual é o plot principal do filme do Capitão América. Uma tragédia acaba servindo como desculpa para praticamente todos os países do mundo acharem que os Vingadores já fizeram demais sem serem responsabilizados.

Um acordo é traçado para que eles apenas atuem quando um comitê da ONU ache justo, e isso acaba por criar uma ruptura na equipe, com membros achando que é a coisa certa a ser feita, enquanto outros acham que aquilo pode ser um jeito de todos serem usados como armas por pessoas que podem ou não serem corruptas.

Uma coisa que é incrível no filme é que os diretores Joe e Anthony Russo não fizeram ninguém ser um vilão. Existe um sujeito ali, arquitetando tudo, mas em momento algum você acha “Capitão América vacilão/Homem de Ferro é um cuzeiro”. Os heróis continuam sendo heróis.

Talvez por ter construído os personagens ao longo de mais de uma dúzia de filmes, o Marvel Studios conseguiu criar uma atmosfera em que o espectador se sente à vontade em analisar o ponto de vista de cada um dos heróis. Quando o Capitão mostra o seu lado para se recusar a aceitar a proposta da ONU, você entende exatamente porque ele está agindo daquele jeito e acredita nos pontos que ele levanta.

Ao mesmo tempo, quando Tony Stark mostra o seu lado, você consegue entender porque ele quer aquilo e os pontos apresentados são justos. A Guerra Civil no cinema não tem um lado certo e outro errado, como aconteceu nos quadrinhos.

Sim, existe o conflito, mas os dois lados estão certos, então fica só aquela sensação de “SENTA E CONVERSEM, PORRA!”, em vez de “QUEBRA O STARK NO MEIO”.

Civil War Banner

Isso é bem interessante comentar, já que durante toda a promoção do filme, o lance de “TEAM CAP” e “TEAM IRON MAN” fez meio mundo falar que o Capitão América era a única escolha certa, sendo que o filme terminou comigo pensando “Homem de Ferro tava certo muito mais vezes do que o Capitão nessa bagunça”. Talvez isso tenha acontecido porque o Robert Downey Jr é a melhor coisa que poderia ter acontecido pro Marvel Studios.

Mesmo não sendo o personagem principal, toda vez que ele aparece, a cena ganha um peso diferente. Boa parte disso é pelo fato de que desde 2008, todo mundo olha pro cara e pensa “Tony Stark”, mas se esquece que o Downey Jr é um ator REALMENTE bom. Quão bom? OSCAR WORTHY. Não nesse filme, mas o cara tem toda a capacidade para isso (tanto que já foi indicado algumas vezes) e mostra que não é só uma máquina de tiradinhas sarcásticas.

Todo o elenco de Capitão América Guerra Civil está de parabéns, até mesmo Daniel Bruhl, no papel do vilão Zemo. Digo isso porque, boa parte do filme ele parece o típico “vilão estrangeiro”. Conforme o filme avança, você continua nesse embalo, até o terceiro ato, quando as coisas começam a fazer sentido. Ali o personagem faz sentido de verdade.

Ainda uma sequência de Soldado Invernal

Apesar de ter todo o peso de Guerra Civil, herói contra herói, o filme do Capitão América conseguiu integrar também o que aconteceu nos filmes anteriores que ele se tornou uma progressão natural de Soldado Invernal, dando continuidade aos acontecimentos daquele longa.

Mesmo com Homem de Ferro, Vingadores e algumas estreias, o filme ainda é total “preciso resgatar o Bucky”. Em alguns momentos, essa gana do Capitão América em salvar o seu amigo quase o faz o vilão do filme, já que ele claramente ignora tudo o que fez nos últimos anos para tentar salvar alguém do seu passado.

civil-war-steve-buckyNão sei se foi intencional, mas sempre que Steve Rogers parece ficar olhando para trás, para o seu passado, não consegue compreender coisas claras que estão logo a sua frente. Seja com a Peggy Carter ou Bucky Barnes, essa tentativa de preservar o que restou de sua antiga vida faz com que o Rogers simplesmente ignore alguns pontos do seu presente e, quem sabe, seu futuro.

Isso até poderia ser visto no primeiro trailer do filme, que mostrava ele lutando contra o Homem de Ferro. Ao falar que tinha que proteger o Bucky porque “ele era o seu amigo” e o Stark fala “Eu também era”, o jeito de os atores entregarem esse diálogo apresenta uma força absurda dentro do contexto. Não é só broderagem, mas tudo o que o Capitão e o Stark deveriam representar um para o outro.

Rogers era amigo do pai do Stark, uma figura que o Tony até o presente traz sombras, devido ao relacionamento que tinham. Com o passar do tempo, os dois passaram a se respeitar e, com poucas cenas, principalmente no segundo Vingadores, é possível notar que existe uma amizade ali. Uma amizade que vai pro saco na base da porrada.

A cena do aeroporto

Muita gente vai assistir o filme pra ver os heróis saírem na mão uns contra os outros. Apesar de isso acontecer mais de uma vez, a cena que muita gente quer ver é a vista nos trailers, com os dois times quebrando o pau em um aeroporto.

Existe um receio com os filmes da Marvel e seus trailers porque, no passado, boa parte das coisas legais eram entregues nos vídeos promocionais. Com Guerra Civil, apesar de rolar um gostinho, é tudo tão grandioso que você vê no cinema e só consegue pensar “Eles esconderam coisa pra cacete”.

1449112604472A cena do aeroporto é basicamente isso. Quando você pensa que já sabe exatamente o que vai acontecer, algo REALMENTE LEGAL acontece em seguida e te pega desprevenido. Isso graças a algumas inclusões no elenco.

Estreias para sacudir o Universo Marvel

Antes de falar das estreias DE VERDADE, é necessário falar que o Paul Rudd é o Homem-Formiga mais legal possível em Guerra Civil. Ele aparece pouco, servindo mesmo como um elemento fanfarrão na briga, mas o pouco que ele aparece apenas dá mais vontade de vê-lo junto com os Vingadores. Apesar de ele já ter o seu filme solo, esse longa mostrou como ele fica ainda mais divertido interagindo com essa galera.

Black-Panther-Costume-Art-Captain-America-Civil-WarAí temos o Pantera Negra. Há anos, existiam planos de finalmente trazer o personagem para os cinemas e é possível dizer, com tranquilidade, que o herói é uma das melhores coisas de Guerra Civil.

Ele é apresentado ainda como príncipe e, por causa de uma tragédia, se revela como Pantera Negra (em uma apresentação estilosa pra cacete), cruzando o caminho dos outros heróis. Desde o seu uniforme (f*da), passando pelo seu estilo de luta (sensacional), tudo ali funciona, graças ao roteiro e a atuação de Chadwick Boseman. Só me deixou com mais vontade de ver o filme solo do personagem. Falando em vontade de ver filme solo de alguém…

WELCOME HOME, SPIDEY

Tá aqui o motivo por eu ter escrito tanto até agora. Na verdade, o filme em si merecia todas essas palavras, mas existe um motivo real pra eu me empolgar tanto com ele e eu vou explicar o porque, apesar quem me conhece ou acompanha o que eu escrevo na internet há tempos sabe o que é.

Eu sou fã do Homem-Aranha. Se não fosse um gibi do Homem-Aranha, hoje eu não estaria aqui, e não digo isso relacionado a somente “escrever sobre nerdice”. Por mais que façam sagas cretinas nos quadrinhos, filmes ruins e o escambau, existe uma coisa que vai me empolgar, e é esse personagem.

Quando anunciaram o filme da Guerra Civil, lá em 2014, o momento exato do anúncio foi feito quando eu estava no hospital, por um problema de saúde que eu pensei que tava indo pro saco. Não tava, mas eu me assustei. Quando saí de lá, vi o anúncio, esqueci do meu problema e só fiquei na esperança de “SERÁ QUE VÃO CONSEGUIR FAZER CHUNCHO E COLOCAR O HOMEM-ARANHA ALI?”. Esse é o nível de empolgação.

1-3

Quando confirmaram o personagem e que seria um novo ator, mais jovem, eu me empolguei porque seria um Peter Parker com 15 anos, o mesmo que mudou as coisas pra mim. Seria essa versão que eu veria no cinema.

O Homem-Aranha não é um dos personagens principais em Guerra Civil como ele foi nos quadrinhos, mas todas as cenas em que ele participa, é impossível não o ver como protagonista e pensar “ESSE É O HOMEM-ARANHA”.

Seja como Peter Parker, falido e tentando esconder sua vida dupla da sua tia May (Marisa Tomei, que eu me liguei que tem 51 anos e tá melhor que muita garota de 20) ou como o Aranha, Tom Holland basicamente olha pro Tobey Maguire e o Andrew Garfield e fala “MOVE, BITCHES! THIS IS MINE!”

  • Parker gênio com 15 anos, impressionando o Tony Stark? Check
  • Moleque falido, tentando arrumar um jeito de tocar a vida? Check
  • Uma piá que sabe o que precisa fazer e o peso das suas decisões, muitas vezes melhor do que heróis experientes? Check
  • Um maldito que NÃO. PARA. DE. FALAR. durante as lutas? CHECK.

Sério, se a Sony resolver só bancar e deixar a Marvel fazer o que bem entender com o Homem-Aranha, vai ganhar MUITO dinheiro e todo mundo vai ficar feliz. Em pouco mais de 30 minutos de presença na tela, esse Homem-Aranha consegue superar as versões anteriores. Se continuar assim, vai se tornar o definitivo sem nem suar.

O começo de mudanças no Universo Marvel nos cinemas

Ao final de Capitão América Guerra Civil, muita coisa é resolvida, mas a melhor coisa dele é que mostra novos rumos para esses heróis. A quantia de novas histórias cresce BASTANTE e só torna a próxima vez em que todos vão se juntar um evento muito mais interessante.

Quando isso rolou em Vingadores 2, apesar de ter novos personagens, ainda era um esquema “mais do mesmo”. Por causa dos eventos da Guerra Civil, a inclusão de Homem-Aranha e Pantera Negra + Guardiões da Galáxia, Capitã Marvel e Doutor Estranho, o Universo Marvel nos cinemas parece mais forte do que nunca.

Se existia algum receio de que filmes de gibi perderiam a força com o lançamento de várias adaptações por ano, a Marvel pelo menos já garantiu alguns anos tranquila só pelo histórico.

E só pra fechar como eu quase resumi todo o review: MELHOR HOMEM-ARANHA PQP TIA MAY GOSTOSA OLHA O PANTERA NEGRA DANDO UMAS PIRULETA LOUCA OLHA ESSE HOMEM DE FERRO OLHA ESSA FEITICEIRA ESCARLATE MELHOR OLSEN E DE NOVO O MELHOR HOMEM-ARANHA PORQUE MELHOR. HOMEM. ARANHA.

Leia Mais
Review: Mulher-Maravilha