Review: Capitã Marvel

Depois de anos com uma galera pedindo um filme da Marvel estrelado por uma mulher, 2019 finalmente traz a estreia de Capitã Marvel filme que é muito legal, talvez devesse ter sido feito antes dos Vingadores pro impacto ser maior, mas isso não chega a ser um problema dele sozinho. Ainda assim, uma boa introdução pra personagem que deve sentar a porrada na cara do Thanos com gosto.

Capitã Marvel, como já foi mostrado em trocentos trailers que, incrivelmente, não entregaram o filme inteiro (parabéns, Disney), mostra uma guerreira Kree com poderes incríveis que, devido a alguns acontecimentos, vem para a Terra e começa a ter lembranças de uma vida por aqui, colocando em dúvida sua própria identidade.

Se você não sabe absolutamente nada sobre Capitã Marvel, ver o filme só com isso em mente é muito legal porque ele funciona muito bem sem conhecimento prévio da personagem ou do próprio universo Marvel.

Como essa segunda parte é quase impossível hoje em dia por causa dos filmes, você meio que consegue apontar as obviedades da história conforme o filme vai se desenrolando. Mesmo assim, ele ainda consegue ser uma boa adaptação dos quadrinhos, com algumas mudanças interessantes pelo caminho.

Agora, sendo bastante sincero, Capitã Marvel é o terceiro melhor filme de origem solo da Marvel (desconsiderando Guardiões da Galáxia por ser equipe), ficando atrás apenas de Homem de Ferro e Capitão América: O Primeiro Vingador. Faz bastante sentido, já que tudo indica que a personagem será a nova cara do MCU depois de Vingadores: Ultimato.

Só que assim como esses outros filmes, e vários outros de origem do estúdio, a primeira metade de Capitã Marvel se desenrola em um ritmo esquisito. Não chega a ser ruim, mas parece que ele fica pisando em areia movediça, tentando encontrar seu caminho. Só que quando ele encontra, O NEGÓCIO VOA DE VERDADE!

Muito se falou antes da estreia sobre o fato de a Brie Larson, uma atriz que já ganhou Oscar e que sempre será defendida por mim porque também foi Envy Adams, “não sabe atuar e não tem carisma”. Quem falou isso obviamente é um imbecil, já que ela demonstra o contrário em Capitã Marvel.

Samuel L Jackson como um Nick Fury no começo de sua carreira na S.H.I.E.L.D. é basicamente o Samuel L Jackson que todo mundo gosta, fazendo piadinha e sendo muito mais “solto” que a versão de tapa-olho do personagem. Inclusive, Capitã Marvel mostra exatamente como ele perdeu esse olho.

A dinâmica entre eles é bem divertida e ajuda o filme a ter um clima bem leve. Os vilões apresentados, a raça Skrull ficou bem legal e o “vilão principal”, Talos, interpretado pelo ator Ben Mendelsohn é sensacional.

Capitã Marvel é um filme pra todo mundo

É impossível não comentar sobre toda a palhaçada que circula o lançamento de Capitã Marvel. Um bando de virjão resolveu atacar o filme pelo fato de a Brie Larson ter falado que queria que a cobertura dele pela imprensa fosse mais diversificada, porque só vai homem entrevistar ela. Que ela queria ver mais pessoas de cor, mulheres e tal. Um bando de virjão resolveu tomar isso como “ela está atacando homens brancos” e começou a cretinice.

Eu não posso opinar com 100% de conhecimento de causa na questão se Capitã Marvel é um filme emponderado e tudo mais porque eu não sou o público que será afetado dessa maneira por ele.

Eu consigo ver momentos em que ele reforça a noção de que mulheres precisam na maioria das vezes se provar milhares de vezes, mostrando que são mais do que capazes de realizar algumas tarefas, só pra alguém falar que elas não podem pelo simples fato de não ter um pinto.

Marvel Studios’ CAPTAIN MARVEL..Captain Marvel (Brie Larson) ..Photo: Film Frame..©Marvel Studios 2019

O filme consegue apresentar bem a ideia de que a pessoa precisa se provar apenas para si próprio, algo que funciona tanto para homens e mulheres, mas imagino que a mensagem vai chegar com muito mais força em mulheres do que chegou em mim.

Mesmo assim, levando tudo isso em consideração, Capitã Marvel ainda é um baita filme. Porque no final das contas, independente do sexo da pessoa ali, ela tá voando, dando porradão e sendo um absurdo de poderosa e sendo maneira.

E isso é legal pra mim que achou tudo divertido pra cacete (e vai achar lindo quando ela estiver de patota com os Vingadores contra o Thanos), mas consigo imaginar que pra uma menininha de 7 anos ver isso é o equivalente a quando eu assisti o primeiro filme do Batman, por exemplo. É a mesma coisa que aconteceu com Mulher Maravilha.

É mais gente brincando no parquinho, não gente sendo expulsa dele. Não seja um mocorongo.

Em resumo

Capitã Marvel é um puta filme divertido, principalmente quando ele se resolve consigo mesmo, ali um pouco antes da metade. Brie Larson tá legal como Carol Danvers, Samuel L Jackson é daora, as homenagens feitas ao Stan Lee quase me fizeram derramar uma lágrima, a trilha sonora é legal, apesar de às vezes meio forçada, e foi um bom jeito de apresentar a personagem ao mundo.

E pra fechar, porque não teve uma alma que colocou as músicas certas que tocam no filme no Spotify, toma uma playlist pra embalar depois de assistir ao filme:

Leia Mais
Chappie, novo filme do diretor de Distrito 9, ganha trailer